VALE A PENA LER DE NOVO - O FALSO REIKI

alt

O FALSO REIKI
Por Otávio Leal
(Dhyan Prem)

Nos últimos meses, tenho observado algo antes inimaginável.

Alunos de Reiki em vários níveis aqui chegam dizendo que são iniciados nessa auspiciosa técnica e não o são. Estão recebendo uma falsa iniciação em Reiki.

Sei disso tanto pela energia do aluno, avaliando o seu saber e principalmente pelos sintomas físicos e emocionais de quem supõe ter recebido uma iniciação correta e não o recebeu. A energia da pessoa está comprometida sensivelmente.

A autora Paula Horn, no livro "Reiki – Toque Definitivo", também aponta essa falsa iniciação na América do Norte.

Iniciação é um ritual mágico, poderoso, aonde coloca-se um “dom”, uma tradição ou egrégora no iniciado. Você sabe disso, expliquei profundamente em sua formação.

No batismo cristão, coloca-se o dom da fé que é estimulado pela oração Pai-Nosso, no candomblé o “receber os orixás”, no xamanismo a coragem e poder pessoal, no tantra a sexualidade mística, no budismo o silêncio, no hinduismo a celebração, etc.

As maiores e mais fortes iniciações que recebi foram no xamanismo Inca e no tantra hindu. Vale a pena receber uma iniciação. Fui iniciado em dezenas de tradições antes de encerrar minhas buscas. É um dos pontos altos da vida, mas é fundamental receber uma iniciação séria.

Todas as benção da iniciação tornam-se problemas quando a mesma não é séria. 

O ocidental não faz a menor ideia da importância de se escolher para ser iniciado um mestre sério, alguém que reconheceu a si mesmo, um pesquisador e não só mercenários ou sacerdotes e mestres despreparados.

Mas não, o ocidental busca alguém “pertinho”, “baratinho” e nem ao menos procura saber a formação do iniciador, conversar com ele ou ler algum artigo do mesmo.

Existem mães que batizam filhos e nem sabem a Ordem Cristã do padre.
Idem no Reiki.

O professor De Rose opina sobre iniciações indevidas e brigas de egrégoras de quem mistura um universo de técnicas incompatíveis com o Reiki e recebe iniciações erradas e/ou por mestres despreparados:

“Elas (egrégoras incompatíveis) rasgam-no ao meio energeticamente. Dilaceram suas energias, como se você estivesse sofrendo o suplício do esquartejamento, com um cavalo amarrado em cada braço e em cada perna, correndo em direções opostas. 

Esse esquartejamento traduz-se por sintomas, tais como ansiedade, depressão, nervosismo, agitação, insatisfação ou solidão. Num nível mais agravado, surgem problemas na vida particular, familiar, afetiva, profissional e financeira, pois o indivíduo está disperso e não centrado.

No grau seguinte, surgem neuroses, fobias, paranoias, psicopatologias diversas, que todos percebem, menos o mesclante. Finalmente, suas energias entram em colapso e surgem somatizações concretas de enfermidades físicas, das quais, uma das mais comuns é o câncer.

Isso tudo, sem mencionar o fato de que duas ou mais correntes de aperfeiçoamento pessoal, se atuarem simultaneamente sobre o mesmo indivíduo, podem romper seus chakras, já que cada qual induz movimento em velocidades, ritmos e até sentidos diferentes nos seus centros de força”...


Tudo leva a crer que os pseudos “mestres” que estão iniciando equivocadamente, sem a menor preparação e criando o caos energético nos incautos discípulos. Já recebi dezenas de solicitações de “reikianos” absolutamente desequilibrados que desejam uma nova iniciação.

Os falsos iniciadores no Brasil pode estar inclusive “formando” mestres incompetente criando uma corrente de instrutores que prejudicam demais uma técnica, até então tão nobre como o Reiki.

De toda forma essa deturpação ainda pode ser evitada ao não se tomar iniciações que tenham as seguintes características:

1- Iniciações em ambientes lotados, barulhentos, confusos. Usui nunca unia muitas pessoas numa só formação e nenhuma iniciação que conheço em nenhuma tradição séria e competente assim o faz. Lembra-se de sua iniciação em Master como foi mágica e reflexiva?

2 – Instrutores que ensinam um monte de bobagem sobre o Reiki. Ex.: Que o mesmo tem 200 anos, que Usui foi ao Tibet, que era um monge cristão, que o Reiki cura tudo, etc.

3 – Instrutores que só pensam em dinheiro (só quem é cego não vê).

4 – “Mestres” que apontam o Reiki deles como especial, o maior, o melhor o, mais lindo.

5 – Ensine seus alunos a pedirem informações sobre o iniciador. Tu tens certeza que é um iniciador competente?

6 – Há nas iniciações dessas formações os mantras Mani e Tara? Foi ensinado o que é Yantra? Nas práticas constaram polaridade, calatonia e os métodos japoneses do Dentho que hoje são fundamentais de serem ensinados? Ensina-se Meditação Zazen?

7 – O praticante sabe o que é Gasho, Rá, Kenioku. Foi ensinada a cirurgia Kahuna?

8 – O praticante sabe o que é Hon Sha Zen Sho Nen?

Outro dia na rádio uma pessoa me ligou e falou que praticava sempre Reiki e quando perguntei o sentido desse símbolo, ela não fazia a menor idéia. Ela era Reiki nível III.

Peço ajuda a ti amado Master Reiki:

De toda forma possível divulgue esse fato a todos os seus alunos e interessados: procurem mestres sérios. Iniciação é o recebimento de um dom, e quando isso é realizado erroneamente, concordo com De Rose que causa o caos energético, além de ser muito perigoso.

Vamos divulgar isso repetidas vezes.

Otávio Leal
(Dhyan Prem)

Fonte: http://www.humaniversidade.com.br/falso_reiki.htm

VÍDEO: Reiki - Floating 
LINK YOUTUBE

Extraído de: http://stelalecocq.blogspot.com/2013/12/vale-pena-ler-de-novo-o-falso-reiki.html

Amor e Luz,
Eu Sou Andréia

Por favor, respeite os créditos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HORÁRIOS DOS 12 MERIDIANOS PRINCIPAIS

CLORETO DE MAGNÉSIO P.A. - O SANTO REMÉDIO

OMBRO DOLOROSO E SEU TRATAMENTO COM ACUPUNTURA